Nomes de marcas e produtos: existe uma maneira correta de escrevê-los?

Atenção: assunto inútil discutido por dois ignorantes no tema. Se tiver algo melhor/mais útil para fazer, feche essa aba ou, se seu navegador não tem abas, dê Alt + F4 (e atualiza essa merda de Internet Explorer 6).

o causador de toda essa celeuma.

o causador de toda essa celeuma.

Estava lendo alguns blogs, e me deparei com este post escrito pelo grande amigo Thássius. Notei, durante a leitura, que a grafia do “iPod touch” estava diferente da do site oficial, e, de modo geral, do padrão que a Apple usa para esse produto. A Apple sempre usa o “t” do “touch” minúsculo, e o Thássius escreveu-o maiúsculo. Avisei ele sobre o erro via mensagem direta no Twitter, e recebi a seguinte resposta:

Não é erro, é questão de estilo mesmo. Eu escrevo Touch, Nano, tudo com maiúscula. Mas obrigado (:

“Ora, como assim?”, pensei com meus botões ao ler isso. Imediatamente abri o Live Messenger, e o encontrei lá, com status “ocupado” – o que não me impediu de lhe encher o saco. Dali em diante, rolou uma discussão acalorada sobre o que vale, o que está certo, se existe um certo.

A grande questão é: nomes de produtos/marcas, que fujam às regras ortográficas do português, devem ser mantidos “errados”, como a empresa o batizou, ou serem “corrigidos” segundo o nosso idioma? De um lado do ringue, eu, defendendo a grafia original, da empresa. iPod touch, iPod nano, NET Virtua. Do outro, Thássius, defendendo a liberdade de escrever como acha mais conveniente, ou correto segundo as normas do nosso querido vernáculo. iPod Touch, iPod Nano, Net Virtua.

Argumentei que o registro de uma marca é como se fosse o batismo de uma pessoa. Pegando carona nessa analogia, o Waldisney será Waldisney em qualquer lugar, por maior que tenha sido a vontade e boa intenção da mãe dele na tentativa de homenagear o grande Walt Disney. O correto é determinado pela empresa, que cria e comercializa o produto. Se há divergências, aí fica o jornalista/blogger livre para escolher a que melhor lhe aprouver. De outro modo, se a empresa mantém um padrão e não foge dele, deve-se respeitar, ou melhor, seguir o correto. Citei um case da Automattic, uma exaustiva campanha para conscientizar os próprios usuários do WordPress quanto à grafia correta do nome do sistema/serviço. Os comandados de Matt Mullenweg chegaram a criar um script, que roda no WordPress.com, que altera automaticamente variações como “WordPress”, ou “wordpress” para a forma correta (“WordPress”). A grafia correta é importante para fixar a marca, fortalecer a identidade do produto.

O Thássius defendeu a tese de que, na falta de padronização/regulamentação para nomes de produtos, deve-se aplicar as normas ortográficas vigentes de modo a adaptar o nome original dos produtos para o português. Coisas como nomes iniciarem com letra maiúscula, e outras do tipo. Ele puxou da manga uns manuais de redaçao da Folha de S.Paulo/Estadão/Diário do Noroeste (esse é brincadeira :mrgreen: ), os quais não citam diretamente a problemática. O que vai mais longe é o do Estadão, que no fim das contas, compartilha da opinião do Thássius.

E não chegamos a um consenso, o que significa que eu não consegui convencê-lo de que meu raciocínio é correto, nem ele convencer-me de que o dele o é. Sugeri apelarmos para os blogs, e aqui estou. Então a peteca fica contigo, caro leitor: nomes de produtos/marcas, que fujam às regras ortográficas do português, devem ser mantidos “errados”, como a empresa o batizou, ou serem “corrigidos” segundo o bom português?

25 thoughts on “Nomes de marcas e produtos: existe uma maneira correta de escrevê-los?

  1. Fala Ghedin!

    Eu compartilho de sua opinião. Como você, acredito que se a mula registrou o filho como Waldisney, essa é a forma correta de escrever o nome dele, independente do que as regras ortográficas digam.

    Afinal, substantivo é substantivo, não?

    O problema é que, quando falamos de marcas, a coisa não é tão simples. Por exemplo o caso da Rede Globo (cujo logo é todo em maiúsculo) e a globo.com (todo em minúsculo). Nenhum veículo escreve “REDE GLOBO”. Aliás, nem a própria Globo escreve sua marca desta forma nos créditos dos programas.

    Diferente da boa matemática, acho que aqui o que mais vale é o bom senso mesmo.

    Quanto ao iPod Touch, ele está mesmo com o ‘t’ em minúsculo na página oficial, mas eu consideraria aquilo uma espécie de logomarca do produto. Seria interessante tentar descobrir como a Apple escreve o nome de seus produtos, em releases, ou nos slides dos próprios keynotes.

    Abs

    • E aí, Mobilon!

      Não demita o Thássius por causa do iPod touch, viu!? :lol: . Estranhei e comentei com ele o “t” maiúsculo porque a Apple sempre escreveu iPod touch assim, com “t” minúsculo. Basta dar uma olhadinha no material de imprensa do produto, no site oficial da Apple.

      E embora tenha deixado passar batido, também concordo contigo nos casos em que nem mesmo a detentora do nome define uma forma correta de escrever, como a Globo. Bom senso é o caminho.

      []’s!

  2. Eu também prefiro adotar a escrita utilizada pelo detentor da marca, até porque o leitor mais exigente repara nesses detalhes. Mas, tal como o Mobilon sugeriu, eu consulto algum documento da empresa em questão (de preferência um comunicado de imprensa) para ter certeza.

    O problema é que, muitas vezes, esses detalhes passam despercebidos. Levei algum para escrever “Yahoo!” ao invés de “Yahoo”, “orkut” ao invés de “Orkut” e “Twitter” ao invés de “twitter”.

    • Viu só? Por isso que eu não acho isso tão importante.

      Em alguns casos (como iPhone, ou iPod) fica realmente estranho escrever de outro jeito. Porém, em casos como “Yahoo!”, o ponto de exclamação pode confundir o visitante na hora da leitura.

      Já escrever orkut em letras minúsculas, além de feio pra dedéu, dá a impressão de que você não está falando de uma empresa. Neste caso, eu adoto também a visão do thas de seguir as regras ortográficas.

      • Ah, nesse ponto eu sou caxias mesmo, e como o Emerson, também escrevo “orkut” e “Yahoo!”. Fica estranho algo como “A Yahoo!, que é uma empresa legal”, mas é a vida, e se algum leitor desavisado questionar, explico com o respaldo da detentora da marca.

        Problema mesmo é falar “orkut” corretamente. Nisso eu já joguei a toalha, e me uni massa brasileira que chama a rede social carinhosamente de “ôrcúti” :lol: .

        []’s!

        • Para vocês verem como esse assunto vai longe. Me habituei a escrever “Yahoo!”, mas se eu estiver terminando uma frase com esse nome e com um ponto de exclamação, a coisa fica estranha: “(…) Yahoo!!”. O leitor, provavelmente, pensará que eu estou querendo reforçar a “emoção” da frase, ou seja, não entenderá que o primeiro ponto compõe o nome da marca.

          Por outro lado, “Ipod” ou “Iphone” fica deveras estranho, tal como o Mobilon frisou. É como se eu estivesse me referindo a produtos “xing-ling”…

          E fala é um negócio complicado mesmo. Além de Ork… orkut, YouTube é outro nome que eu pronuncio “moda brasileira”. Mesmo porque, dependendo do grupo com o qual eu esteja conversando, pronunciar da forma correta pode não soar bem, por incrível que pareça.

          Enfim, é o bom senso servindo novamente como solução para cada situação.

          • Esse negócio de pronunciar “iul tiub” é tenso mesmo. Já aconteceu até na aula da faculdade falarmos disso.

            Eu acabo falando “iul tubi” mesmo. :)

            Sobre escrever os nomes das marcas/produtos: eu tento escrever da forma que a própria marca escreve em seu site, mas as vezes fica difícil, como o exemplo já citado do “Yahoo!”.

            Ah, sempre que comento em blogs uso o mesmo nome desse de cima; tudo minúsculo mesmo. É charme!

            aHHAhahHhaha

  3. Essa é uma discussão em que usar o bom senso é uma das, senão a melhor das alternativas. Escrever conforme manda a cartilha (no caso a da empresa detentora do produto) é bom, mas em casos como iPod touch, orkut e Yahoo!, as vezes fica complicado de explicar para o leitor de que a palavra não está errada, de que não se trata de um acento e outras coisas desse tipo.

    É bom ainda salientar que estamos no Brasil, ou seja, a mania de “abrasileirar” as coisas prevalece. :( Como o Emerson disse, sair falando “a torto e a direito” YouTube com a pronúncia correta não é muito recomendável, além de anormal para 99% das pessoas que acessa o site, irá parecer que você, e não elas está falando errado.

    Discussões como essa são boas, pois em alguns casos o resultado é satisfatório, como exemplo o WordPress, que depois de muito tempo ser escrito com o “pê” minúsculo foi oficializado como sendo maiúsculo.

  4. Como se trata também de uma dúvida de Inglês, lendo o seu texto resolvi ir atrás de algumas gramáticas impressas (Collins e Longman) que eu tenho, resquícios do tempo em que eu dava aula, e também de material online.

    Depois de muito ler e refletir, finalmente creio que ficarei do lado do Thássius, uma vez que as gramáticas do idioma, apesar de quase que invariavelmente recomendarem que nomes de marcas (Xerox, Pepsi, Sony) e de seus produtos sejam sempre que possível escritas com a primeira letra de cada palavra maiúscula, podem ser sobrepostas por manuais de estilo, que atuam como os manuais de redação que você citou, e que, na verdade, determinam regras que os profissionais — sobretudo os que escrevem para veículos de comunicação em massa — devem levar em conta ao compor seus textos.

    É verdade que estes manuais deveriam ser sempre escritos levando-se em conta a ótima sugestão do Emerson, de pesquisar a grafia de produtos em comunicados para a imprensa, já que a marca é uma das maneiras — talvez a mais importante — que a empresa tem de imortalizar seu produto, mas nem sempre isso acontece.

    Veja, por exemplo, o que acontece quando você busca iPod touch na Wikipedia: Ela apresenta o termo como iPod Touch, ou seja, seguindo a grafia que o Thássius usou no texto escrito por ele, embora logo na sequência, entre parênteses, cite que o aparelho é registrado e comercializado como iPod touch. Confuso, talvez? Mas a forma de escrever vem das recomendações do Manual de Estilo da Wikipedia, sobretudo no caso de marcas que tem a primeira letra minúscula.

    Já que devemos considerar que cada instituição (Folha, The Economist, Wikipedia e por ai afora) pode determinar como deseja que seus textos sejam escritos, poderão existir diversos estilos, inclusive os do Rodrigo Ghedin e o do Thássius, que podem conviver harmonicamente. Eu, do meu lado, repito que ficaria com iPod Touch, mesmo.

    Abração!

    • Aliás, respondendo ao meu próprio comentário (!!!), acabei de achar o Manual de Redação da Apple.

      Na verdade, trata-se do Apple Publications Style Guide (em formato PDF), que em seu capítulo 3, versa sobre a grafia correta de todos os produtos da empresa, e cita iPod touch como sendo o correto…

      Mas isso não significa, necessariamente, que não haja espaço para os diferentes estilos, como eu já disse… :)

    • o wikipedia usa o touch maiusculo pq wikis-wikis fazem assim… Todas as palavras com a 1a letra em maiuscula.

      Sobre o ipod touch. Se for corrigir, o t é minusculo pois não esta no começo da frase.

  5. Muito interessante a discussão e mais ainda, a opinião de cada um.

    Como grande amante do design e observador, sempre associei a “escrita original” forma correta de se escrever; é a identidade visual do produto. Se a empresa definiu assim, que assim seja.

    Por trás de todo logotipo existe um estudo, e não é diferente em sua escrita. Existe toda uma arte, uma análise, uma técnica no processo de criação e composição do texto.
    Um exemplo claro e citado são os produtos da Apple. Para citar: os MacBook’s têm a escrita assim, de forma “normal” e na fonte padrão da empresa, a Myriad. A linha mais robusta, o MacBook Pro, já recebe a escrita PRO em negrito, dando idéia de força, potência. Já o modelo “slim”, mais delicado, fino, menor, recebe a grafia Air em itálico.
    Talvez passe desapercebido por muitos, mas no incosciente de cada um isso diz muito. Não é atoa que muitas marcas são reconhecidas facilmente com uma letra em sua grafia original.

    Saindo um pouco do design e voltando ao assunto mais, digamos assim, ortográfico… acho que não é de se julgar errado escrever de forma diferente da original, mas se tiver o cuidado e quiser representar de forma fiel, é interessante ter atenção nesses detalhes.

    iPod touch, MacBook, Coca-Cola, orkut, YouTube e por aí vai…

    PS: é fácil perceber que dou importância e acho interessante a “forma” de se escrever, maiúsculos… minúsculos… muitas vezes vão além de estética, dizem algumas coisa, são mais fáceis de serem entendidas e/ou lembradas… a propósito, repare: thiagonasc e não ThiagoNasc.

  6. Às vezes a tipografia também confunde. Não no caso do iPod touch, em que são utilizados dois pesos de uma mesma fonte (Myriad) na marca. Mas o Twitter é um desses casos.

  7. Concordo contigo Ghedin. Se for uma questão de estilo, como alega o Thássius, qualquer um poderia iniciar nomes próprios com letra minúscula, por adotar um estilo próprio.
    O correto é iPhone, iPod, etc.
    []s,
    Philemon

  8. Bom,acho que vai de cada empresa criar o nome do produto, e compartilho da opinião do Ghedin, mas escrever alguns nomes, que em algumas ocasiões deixam o texto, digamos, ‘feio’, corretos acaba gerando problemas. Por isso acho que acabo sendo negligente em alguns casos. Exemplo desta frase:

    “twitter bate recorde de usuários”, é óbvio que usaremos a grafia correta, “Twitter bate recorde de usuários”.

    Mas fica aí. Gostei do post.

  9. Yeah, Ghedin, pra mim deve ser mantida a forma como a empresa o criou, que é a marca, o nome próprio, entretanto, assim como o nosso português permite duas grafias em algumas ocasiões (por enquanto), acho que deve ir pelo tipo de conteúdo do texto. Vai falar bem, mal, fazer uma análise do produto: Segue-se a grafia de registro. Vai citar o produto em um texto parte? tenha a liberdade de escrever na forma de registro ou na grafia local.

    É isso ai!

  10. Como estudante de Publicidade e amante de Língua Portuguesa, vejo um pouco de razão em cada lado dessa discussão. Mas acho que o que Thiago Mobilon escreveu responde divergência: “Seria interessante tentar descobrir como a Apple escreve o nome de seus produtos, em releases, ou nos slides dos próprios keynotes”. Se a empresa define que a maneira de escrever sua marca é a maneira “errada”, e utiliza essa grafia mesmo em documentos oficiais, não seremos nós, meros mortais, que mudaremos. Uma dica para não confundir o leitor em textos, como no caso do Yahoo! com dois pontos de exclamação, seria deixar o nome da marca entre aspas ou itálico. Exemplo: Adoro o “Yahoo!”!

    • Discordo das aspas, Luana. Soa muito… como posso dizer… artificial, como se o autor não tivesse intimidade com o tema tratado, o que, mesmo seja verdade, não se deve deixar transparecer. Negrito ou itálico ainda vai. Particularmente, destaco em negrito o nome da empresa/produto apenas na primeira citação dela(e) no texto, e só.

      []’s!

      • Sim, você está certo, soa mesmo artificial, nem tinha pensado nisso. Mas eu não usaria nem aspas, nem itálico, nem nada. Sou a favor de usar a grafia original. A ‘dica’ era mesmo pra quem se sentisse incomodado com a grafia ‘errada’ da marca. (:

Comments are closed.